Seguidores

Colegas, têm algum Portfólio/Dossier da vossa prática pedagógica?

terça-feira, 26 de Março de 2013

Organização de um Processo Individual da criança



Uma das coisas que uma inspecção ou visita do ISS às creches pergunta sempre, às vezes até pedem para ver, é o Processo Individual de uma criança. Sei que algumas instituições nada tem, outras têm tudo e nada organizado, por isso... No meu local de trabalho, os nossos estão organizados da seguinte forma:

Processo Individual da Criança, onde constam os dados de identificação da criança, a filiação, a composição do agregado familiar e o conjunto de pessoas autorizadas a vir trazer e levar a criança da escola, juntamente com a cópia dos respectivos documentos de identificação dessas mesmas pessoas;

Dados médicos, onde consta a declaração médica e registo de vacinação em dia, bem como uma autorização de administração de medicamento em caso SOS (p.e. Brufen, Ben-U-Ron, etc) e um registo da respectiva administração de medicamentos ao longo do ano;

Autorizações, onde os pais devem assinar a autorizar/não autorizar que tirem fotos e quais os seus fins (Portfólio, internet, exposição, etc.) e para possíveis saídas ao exterior;

Lista de pertences, onde é registado no primeiro dia de escola todos os itens que a criança leva para uso na mesma (p.e. fraldas, toalhetes, muda de roupa, babetes, lençóis, etc.);

Ficha de avaliação diagnóstica;

Perfil de desenvolvimento, adequado à idade;

Programa de acolhimento, preenchido no primeiro mês de frequência da criança;

Plano Individual, uma planificação para cada criança, mediante as suas dificuldades. Na creche são semestrais e no jardim trimestrais;

Plano de higienização, para as crianças que ainda mudam fralda;

10º Registos de entradas e saídas, um documento para cada criança, que é assinado sempre que a criança é entregue a alguém responsável na instituição: é registado a hora, quem entregou, o parentesco e quem recebeu e o mesmo para a saída.

O que eu quero saber é o seguinte, e vocês caras colegas, como têm organizados os vossos Processos Individuais?

domingo, 24 de Fevereiro de 2013

Nota importante

Bem, agora que estou de regresso, achei que devia partilhar convosco algo que aconteceu comigo. Algo que me leva a responder um redondo NÃO quando me enviam e-mails a pedir para enviar um documento qualquer já preenchido, apenas para terem uma ideia.

Em Outubro de 2011 recebi um e-mail de uma colega de profissão muito atrapalhada com estas coisas todas dos PI's e PAI's e afins. Muito aflita, a colega pedia se eu lhe podia enviar um já preenchido, para que ela tivesse uma ideia sobre como preencher o mesmo. Para mim nada de extraordinário, até porque também eu tive muitas dificuldades ao início e se tivesse tido alguém que me mostrasse um teria sido muito mais fácil.
Tive o cuidado de apagar todos os dados que pudessem identificar a criança a quem pertencia o Plano Individual (uma criança com 19 meses) e muito gentilmente enviei para a colega. Ela foi muito amável, respondeu a agradecer e tudo.

Ora tudo sucedeu este ano lectivo, para além das crianças que a minha sala já tinha, recebi algumas novas e como habitual peço sempre aos pais que caso tenham dossiers ou Portfólios já elaborados nas outras instituições que os tragam para que eu possa dar continuidade ao trabalho. Estava eu muito bem, a analisar um desses dossiers quando me deparo com um PI do ano anterior. Começo a ler e reparo que está 99,8% igual ao meu PI... hum, estranho no mínimo. É claro que os objectivos são os mesmos se mantivermos o Perfil de Desenvolvimento tal e qual como ele nos é apresentado pelo ISS, mas as actividades? Os materiais a usar? Achei aquilo estranho, muito estranho, ainda para mais porque no ano anterior a criança ainda não tinha os 18 meses a quando da data daquele PI... O nome da educadora pareceu-me familiar e como eu havia apenas enviado um PI já preenchido, resolvi ir ao e-mail e verificar.

Como o mundo é pequeno!
Quem diria que moravamos e trabalhavamos as duas na mesma cidade, ainda por cima uma cidade pequena do interior...
Foi constrangedor para mim, devo dizer, porque se tivesse sido ao contrário, eu teria ficado com uma ideia e criado o meu próprio PI a partir daquele. Até porque todas nós temos formas diferentes de trabalhar e de abordar as situações...

Na altura enviei um e-mail à colega, a felicitá-la pela criatividade e empenho na realização do seu trabalho, mas ao qual nunca obtive uma resposta...

E pronto, desabafei... mas pelo menos ficam a saber o porque do meu NÃO quando me pedem para enviar um exemplar já preenchido nos vossos e-mails.

Beijinhos,
a Educadora!

Mais uma ajuda sobre SGQ


Vou tentar ajudar as pessoas interessadas.

Para trabalharem em creche, foi lançado há coisa de meses um projecto 5 estrelas, que para mim é do melhor que há. Chama-se PIM E TITO - Projecto Criativo para Creche. É um pouco carote para pagar tudo de uma vez, mas existem sempre facilidades de pagamento. Mas tem-me ajudado imenso e é o melhor da valência que existe actualmente.

Para se obter a certificação tem de se ter uma "amostra" do trabalho realizado em toda a instituição com pelo menos 6 meses, ou seja, se tivessem iniciado este ano lectivo, neste momento já teriam material para apresentar nas auditorias a fim de obterem a certificação. Mas mesmo que não seja esse o objectivo a curto prazo, a verdade é que este método de trabalho nos deixa mais organizadas. Isto não é nada que nós já não fizessemos, mas pronto... temos de ter registos de tudo.

O nosso trabalho não tem de ser uma cópia da documentação fornecida pelo ISS, por isso, quanto mais tempo de trabalho tiverem com os instrumentos, mais fácil será ir fazendo as devidas modificações até estes se encontrarem perfeitamente adequados à realidade da vossa instituição. Desde que vocês achem os documentos práticos e saibam justificar a sua utilidade e funcionalidade, não existe problema absolutamente nenhum.

No início do ano lectivo, os pais e encarregados de educação  deverão preencher a FAD (Ficha de Avaliação de Diagnóstico). 

Tanto a Creche como o Jardim de Infância deverão trabalhar para a certificação da qualidade, desta forma, foram organizados e estabelecidos os prazos para preenchimento da documentação a usar.

- Para a Creche, deverá ser preenchida a FAD na primeira reunião, o PAI (Plano de Acolhimento Inicial) deverá ser preenchido nos primeiros 30 dias seguintes, bem como o PD (Perfil de Desenvolvimento). Ao final de 30 dias a contar da admissão da criança, deverá ser elaborado o PI (Plano Individual), com base nos três documentos ante-iores.

- Para o Jardim de Infância, deverá ser preenchida a FAD na primeira reunião, o PAI deverá ser preenchido nos primeiros 15 dias, bem como o PD. A elaboração do PI deverá ocorrer em seguida, com base nos três documentos anteriores.

- Os Perfis de Desenvolvimento (PD) poderão ser os mesmos fornecidos pelo Manual de Processos Chave (ISS) e/ou pelo Manual da EQUAL.

- Todos os documentos só serão válidos após tomada de conhecimento e rubrica dos pais/encarregados de educação, ou se por qualquer motivo não houver resposta por parte dos mesmos, estes ficarão automáticamente validados ao final de 30 dias. Esta informação deve ser dada aos pais na primeira reunião e constar em acta.

- Os PI’s serão trimestrais no caso do Jardim de Infância, e semestrais para a Creche. Para a elaboração dos mesmos, deverão ser usadas as Áreas de Desenvolvimento da Creche (Autonomia, Cognição, Comunicação e Linguagem, Motricidade e Socialização ou Pessoal e Social, Cognitiva, Criativa e Motora) e as Áreas de Conteúdo do Pré-Escolar (Área da Formação Pessoal e Social, Área do Conhecimento do Mundo e Área da Expressão e Comunicação).

- Deverá existir uma planificação mensal para o Jardim de Infância e um Projecto Pedagógico trimestral para a Creche (Planificação), com planos diários de actividades. O modelo de planificação e projecto, será o mesmo indicado pelo Manual de Processos Chave do ISS.

Se querem começar já a trabalhar (agora em Fevereiro), e de forma certa, a vossa equipa pedagógica deve reunir-se (e olhem que será necessário disporem de algum do vosso tempo pós-laboral), pegar em todos os perfis de desenvolvimento de todas as idades e organizá-los: por áreas (quer de desenvolvimento quer de conteúdo), depois por subtemas (tal como estes surgem nos actuais perfis – ex.: relações interpessoais) e os objectivos específicos. Podem manter os que lá estão ou eliminar e adicionar outros que vocês achem que se enquadram melhor.
Para facilitar o trabalho, vocês podem adicionar 3 ou 2 colunas  aos vossos perfis (consoante a valência) sobre as avaliações (não alcançado, emergente e alcançado), eliminando assim as 3 últimas colunas do Perfil de Desenvolvimento. Cada conjunto dessas colunas irá permitir fazer a vossa avaliação por trimestre/semestre.

Depois de terem tudo isto pronto, vocês devem criar uma LISTA DE MONITORIZAÇÃO DOS OBJECTIVOS PEDAGÓGICOS para cada idade. A que se refere esta lista? Muito bem, esta lista é nada mais, nada menos, do que uma lista de objectivos gerais que vocês irão criar para cada um dos conjuntos de subtemas e objectivos específicos que tem o vosso perfil de desenvolvimento. Nota importante, os objectivos específicos que constarem desta lista, têm obrigatoriamente de ser os mesmos que vocês optaram por colocar no Perfil de Desenvolvimento de cada idade. Deixo apenas um exemplo de como poderá ser essa lista e do que ela deve conter. O que está a negrito é o objectivo geral.
 
 
Se repararem, o Plano Individual também sofreu algumas alterações. Eu costumava numerar os objectivos em cada área de 1 a x, e na seguinte iniciava novamente a numeração em 1, mas as novas indicações é que se sigam sempre os números sem recomeçar do início a cada área.

 
 

Os manuais da qualidade, podem fazer o download através deste link; http://www2.seg-social.pt/left.asp?05.18.08.02

Não se esqueçam dos registos de entradas e saidas, dos registos de higienização que devem ser individuais, das autorizações para tomas de medicação SOS, para tirarem fotografias e para eventuais saídas. Tudo isso deve constar do processo da criança. Se os pais assinalam a tma de um medicamento, por favor, registem numa grelha no processo da criança incluindo a data de balidade do mesmo.
 
Qualquer dúvida, por favor, disponham!

Se não ficaram completamente esclarecida, por favor, enviem e-mail que eu tento ajudar e esclarecer de outra forma.

À medida que vamos usando os documentos, eles vão sofrendo alterações, de forma a que se tornem satisfatórios e coerentes com a nossa forma de trabalhar. Por isso se vocês se depararem com esta situação, não se assustem, é perfeitamente normal.

Beijinhos
         a Educadora!

Resposta a "Um doce de e-mail..."

Ao fim de mais um ano, cá volto eu para dar a conhecer um e-mail que me foi enviado e ao qual obtive autorização para publicar.




"Cara colega
Hoje entrei no seu blog e qual não foi a surpresa ao perceber que há quem não se dê conta do que realmente escreve! Compreendo que a realidade triste e vergonhosa do jardim de infância referido neste desabafo seja verdadeira (quem sou eu para duvidar das palavras escritas?) mas sinto-me triste e até magoada, quando se faz uma generalização desta vivência e se diz que as educadoras, na maioria procedem desta maneira! Isto não é, nem de perto nem de longe verdadeiro! Pelo contrário a grande maioria das educadoras da rede pública são excelentes profissionais, empenhadas, atentas e verdadeiras super mulheres! Pela minha experiência de 30 anos de serviço e ao serviço das MINHAS CRIANÇAS, posso dizer que AS VERDADEIRAS EDUCADORAS NÃO SÃO ASSIM! tudo o que aqui é referido como trabalho das auxiliares, somos nós que o fazemos! Ainda mais importante: SOMOS NÓS QUE PROMOVEMOS MAS SÃO AS NOSSAS CRIANÇAS QUE CONCRETIZAM.
Isto sim é a REDE PÚBLICA: onde cada um faz o que lhe compete e o que lhe é atribuído! CADA MACACO NO SEU GALHO! diz o povo e com razão...
Educadora de Infância da Rede Pública do Ministério da Educação"
 
 
Beijinhos e aguardem notícias para breve,
a Educadora!

segunda-feira, 31 de Outubro de 2011

Um doce de e-mail....

Após vários meses sem dar notícias, venho deixar um e-mail que foi recentemente enviado para mim e que me tocou particularmente.



"Olá Educadora

De vez em quando dou um saltinho ao seu blog para ver as novidades. Desde já, felicito-a pelo seu trabalho e quero dizer-lhe que a respeito imenso pelo que faz pelas suas crianças. Nota-se bem que ama a sua profissão.
Sou auxiliar de acção educativa (agora chamam-me Assistente Operacional), num jardim de infância público (...).
Li o seu post acerca das auxiliares e concordo que por vezes, existem algumas que, pela experiência que adquiriram ao longo dos anos, se acham mais importantes e "sabedoras" do que as suas educadoras mais novas.
No entanto, e falo pela minha experiência e de outras colegas, na maioria dos casos são as assistentes operacionais (auxiliares e animadoras) que fazem "andar" os jardins de infância públicos. São elas que mais se importam com as crianças e que mais tempo passam com elas.
Vou contar-lhe como é um dia normal no jardim onde trabalho:
Sou eu que abro o jardim às 8.30h.  e recebo a essa hora 6 crianças. Até às 9 horas vão chegando outras. As educadoras entram no Jardim às 9 da manhã, altura em que entram a grande maioria das 50 crianças que lá temos. Junto-as todas para o acolhimento na sala a que chamamos de "sala do prolongamento". Enquanto canto com elas, as senhoras educadoras vestem a bata no escritório e aproveitam para colocar a conversa em dia, enquanto que eu tenho controlar as cerca de 50 crianças que se amontoam numa manta. Por volta das 9.20, as educadoras chegam a essa sala, sentam-se e continuam a sua conversa até por volta das 9.30, 9.40...
Nessa altura, e porque já é impossível ouvirem-se uma à outra de tanto grito e cambalhota da criançada, resolvem ir para as suas salas. Cantam os bons-dias e as crianças colocam as presenças. No jardim onde trabalho, existe apenas uma auxiliar para as duas salas, pelo que tenho de andar sempre de um lado para o outro.
Por volta das 10.15, as educadoras fazem o comboio para que as crianças possam ir ao wc lavar as mãos, e em seguida levo-os para o refeitório para o lanche matinal.
Escusado será dizer que quem ajuda os meninos sou eu! As senhoras aproveitam  para se encostarem à parede e conversam mais um bocadinho.
Ás 10.30, chegam a auxiliar de cozinha e a animadora e começam a ajudar no lanche e a limpar as mesas.
Por volta das 10.40, eu e a animadora vamos para o recreio com os meninos (que é enorme e requer uma supervisão atenta). A auxiliar de cozinha começa a  preparar o refeitório para o almoço, enquanto que as educadoras vão fazer a sua habitual pausa para o lanche.
Ás 11.40, as educadoras tocam a campainha e eu e a animadora levamos os meninos para a porta, cada uma de nós se ocupa de um grupo e levamo-los para as respectivas salas. Os meninos ficam na sala com as educadoras até às 12.00, a cantar umas canções ou a ouvir uma história. Às 12.00h, os meninos que almoçam no Jardim são levados para o refeitório com a animadora e os restantes, tenho de entregá-los aos pais para irem a casa almoçar. É também hora das educadoras saírem para o seu almoço.
Vou para o refeitório ajudar no que for preciso, até à minha hora de sair, ou seja, às 12.30h.
Finalmente uma pausa!
Entro novamente ao serviço às 13.30h, hora a que supostamente também entrariam ao serviço as educadoras. É hora de a auxiliar de cozinha e animadora fazerem a sua pausa para almoço também. Regressam às 14.30h, para prepararem o lanche e o prolongamento de horário.
Fico só com crianças na manta da sala do prolongamento até às 14.00h, hora em que as educadoras se dignam a aparecer para levá-los para as respectivas salas. Nessa altura, as crianças fazem desenhos, vão para a casinha, brincam com plasticina, atiram com jogos ou legos ao ar, enquanto que as educadoras de vez em quando saem das salas e se encontram no escritório para ver mais um mail ou fazer uma chamada para a papelaria, etc,etc... Eu vou andando de sala em sala....
Chega por fim a hora desejada. As 15.30h! Hora de alguns meninos irem para o prolongamento e outros regressarem a casa. As educadoras chegam assim ao fim de um dia exaustivo em que se sentem "cansadíssimas e com dores de cabeça", aproveitando para dizer algo do género "Estou farta disto, e ainda nos cortam nos subsídios, uma pessoa trabalha, trabalha, para quê? Nem me incomodo muito....". E lá vão elas para suas casas.
Quanto a mim, ainda tenho de limpar duas salas completamente em pantanas até às 16.30h, hora em que finalmente vou embora, tratar da minha casa e dos meus filhos.
Para além da limpeza das duas salas, digo-lhe também que tenho à minha responsabilidade a limpeza do escritório, 3 despensas e todo o exterior do edificio.
Além disto, a decoração do jardim é feita por mim, os quadros de presença, do tempo, de aniversários, de comportamento,.... são feitos por mim. As prendas que os meninos levam para casa no Natal, dia do Pai, dia da Mãe, etc..., sou eu quem as idealiza e as faz.
Os filmes apresentados nas reuniões de pais no final de cada período, sou eu que os faço! As educadoras, pura e simplesmente, não querem saber!
Os mimos, as festinhas, o betadine nos dói-dóis, as pequenas façanhas, as suas aventuras e desventuras são partilhadas comigo e com as minhas colegas. A nós tratam-nos pelo nome, a elas tem de ser por professoras!
Educadoras que tratam as crianças segundo o seu nível social, que vão ver se o pai é director financeiro ou um simples trolha. Que fazem má cara porque sabem que os pais do "Joaquim" vivem do rendimento mínimo, mas trazem iogurtes de marca para comer!!! Que fazem constantemente observações acerca dos automóveis, da roupa,etc..., etc... Que tipo de educadoras são estas? É isto que queremos no nosso sistema de ensino?
Todas as educadoras que estão no privado querem ir para o público por isto mesmo! Não têm quem as supervisione. Fazem o que querem e lhes apetece!
Desculpe este meu desabafo, mas não pude evitá-lo! Já me queixei aos meus superiores, toda a gente sabe que é assim, mas o sistema está instituido, não há nada a fazer!

Como mãe e como ser humano, custa-me ver que aquelas crianças nada levam de útil para a sua vida futura. Custa-me vê-los 2 horas sentados numa manta, apertados numa só sala, a olharem para o televisor onde passa o "Ruca" ou o "Noddy", apenas porque é sexta-feira à tarde, as senhoras estão cansadas e não lhes apetece trabalhar!
A si, peço-lhe, não deixe morrer nunca esta sua paixão, mesmo que um dia vá para o público...
Peço-lhe que dê sempre o exemplo como Educadora que é! Exemplo de empenho, trabalho, dedicação... exemplo de partilha, de solidariedade, de companheirismo e ajuda.
Acima de tudo, exemplo de amor para com aqueles que um dia serão o futuro da nossa sociedade!
Obrigada por me ter "escutado"."

Obrigada querida leitora do blog... isto dá-nos força para continuarmos!

Beijinhos,
a Educadora!

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails